Resenha: Trono de Vidro

“Ainda assim, a imagem assombrou seus sonhos a noite toda: a linda garota que olhava as estrelas e as estrelas que a olhavam de volta.”

Sinopse:  Nunca reclame de ter uma fase ruim.

 Depois de ser capturada pelo rei e enviada para as minas de sal de Endovier onde trabalhou como uma escrava, Celeana Sardothien, a maior assassina do reino, recebeu a oportunidade de ser livre novamente, mas para isso teria que se tornar a campeã do rei (a pessoa encarregada por matar todos os inimigos da realeza). Quem deu essa oportunidade a ela? O filho do homem que a enviou para a morte lenta, o Príncipe Dorian Hallivard que resolve patrocina-la na disputa pelo título de campeã. Após passar um longo ano com menos que o necessário para comer, Celeana se vê diante de um longo caminho buscando voltar a sua forma física de antes. E quem melhor que o capitão da guarda Chaol Wastfall, que parece não ir com a cara da assassina, para ajuda-la com isso? Quanto mais tempo a assassina passa no castelo, mais ela percebe que a ameaça não são os outros assassinos com quem compete ou a constante ameaça de ser enviada novamente para as minas de sal, a maior ameaça se esconde no escuro e mata (lê-se tortura e estripa) qualquer pobre desavisado que ouse cruzar seu caminho. Celeana está no meio de uma competição com os melhores assassinos e mercenários do reino, uma criatura está matando aos poucos seus concorrentes e a garota ainda tem que lidar com seus sentimentos que parecem estar despertando.  Você ainda ousa reclamar de um dia ruim?

Bibliotecas estão cheias de ideias, talvez a mais perigosa e poderosa de todas as armas

Minha Opinião: Os primeiros capítulos do livro não me atraíram em nada. Okay, isso é terrível e eu me sinto realmente culpada por não ter enxergado a maravilha que essa obra é antes do quarto capítulo. O início da história é uma introdução para aqueles que, assim como eu, não leram os contos publicados na obra “A lâmina da assassina” e assim que essa pequena “apresentação” termina e a história começa de verdade você não consegue desgrudar os olhos das páginas. Parece mágica! Celeana Sardothien não é o tipo de mocinha que vai tentar te conquistar. Quando você começa a conhecer a história dela e o envolvimento com o personagem vai se aprofundando, você percebe o quão maravilhosa ela é. Sem dúvidas, essa é a melhor personagem da trama e uma das melhores principais que já conheci. O Príncipe Dorian lembra um pouco o príncipe Maxon da série “A Seleção”, mas ao mesmo tempo tem aquele lado mais galinha que atrai as garotas e faz com que os pais escondam suas filhas. Durante uma boa parte da leitura eu simplesmente o odiei porque homens perfeitos demais como ele normalmente aprontam algo, mas depois de um tempo passei a gostar do príncipe herdeiro. O principal ponto onde Maxon e Dorian, ambos bem parecidos, se mostram diferentes é a forma como Dorian tenta enfrentar seu pai tirano enquanto Maxon se deixava ser alienado por tudo o que o pai fazia. Um príncipe de atitude, babies. O capitão Chaol Westfall é outro personagem que conquista o leitor sem tentar. Em algumas passagens do livro fiquei realmente irritada com ele, mas minha irritação sempre foi bem passageira porque esse é um dos melhores e mais importantes personagens na história de Celeana, além de ter humor e nobreza invejáveis por qualquer membro da corte. Além da Celeana, a melhor personagem da trama é a princesa Nehemia. Esqueça tudo o que você conheceu com as princesas da Disney, agora! Nehemia é a princesa de um reino rebelde e ela ajuda os rebeldes a organizarem rebeliões e os escravos a fugirem sempre que é possível.  Ela é uma princesa de personalidade forte que percebe a falsidade da corte e tenta de todos os jeitos possíveis e impossíveis ajudar o seu povo, mesmo estando longe em uma missão “diplomática”. (Essa é a princesa da rebelião) Acho que isso está um pouco longo, não?

Recomendo esse livro para todos aqueles que estão cansados das mocinhas fracas e frágeis que sempre precisam de um salvador, aqueles que não aguentam mais ver personagens femininas que não tem poder e para todos que amam uma boa história que mistura fantasia, ação, medieval, comédia e romance na melhor farofa literária que já li.

INFORMAÇÕES SOBRE O LIVRO

Autora: Sarah J. Maas

Ano: 2013  

Páginas: 392

Editora: Galera Record

A Lâmina da Assassina – Trono de Vidro – Coroa da Meia-Noite – Herdeira do Fogo

Anúncios

Um comentário sobre “Resenha: Trono de Vidro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s